Seguidores

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

MEU ORGULHO E INCÕNSTANCIA

 O MEU ORGULHO  
Lembro-me o que fui dantes. Quem me dera Não lembrar! Em tardes dolorosas Lembro-me que fui a primavera Que em muros velhos faz nascer as rosas! As minhas mãos outrora carinhosas Pairavam como pombas... Quem soubera Por que tudo passou e foi quimera, E por que os muros velhos não dão rosas! São sempre os que eu recordo que me esquecem... Mas digo para mim: "Não me merecem..." E já não fico tão abandonada! Sinto que valho mais, mais pobrezinha: Que também é orgulho ser sozinha E também é nobreza não ter nada!   
INCONSTÂNCIA  
Procurei o amor, que me mentiu.  Pedi à vida mais do que ela dava;  Eterna sonhadora edificava  Meu castelo de luz que me caiu!  Tanto clarão nas trevas refulgiu,  E tanto beijo a boca me queimava!  E era o sol que os longes deslumbrava  Igual a tanto sol que me fugiu!  Passei a vida a amar e a esquecer...  Atrás do sol dum dia outro a aquecer  As brumas dos atalhos por onde ando...  E este amor que assim me vai fugindo  É igual a outro amor que vai surgindo,  Que há-de partir também... nem eu sei quando... 

Florbela Espanca
postado por marlene de goes

2 comentários:

✿ chica disse...

Beleza,Marlene, começando pelas lindas rosas e a poesia! beijos,chica, tudo de bom, obrigadão pelo carinho sempre!

Maria Rodrigues disse...

Florbela Espanca é sempre uma excelente escolha. Que lindas rosas minha amiga.
beijinhos
Maria

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...