Seguidores

sábado, 31 de dezembro de 2011

OS VERSOS QUE TE FIZ






os versos que te fiz

Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que a minha boca tem pra te dizer!
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer.

Têm dolência de veludos caros,
São como sedas pálidas a arder...
Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que foram feitos pra te endoidecer!

Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda...
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz!

Amo-te tanto! E nunca te beijei...
E nesse beijo, Amor, que eu te não dei
Guardo os versos mais lindos que te fiz!                                   Florbela Espanca

pOSTADO POR MARLENE DE GOES



                       QUE 2012 FLORESÇA  EMBALANDO TEUS SONHOS
                       E QUE OS OLHOS DA ALMA,TE DEIXEM VER
                     O QUANTO VOCE É IMPORTANTE PARA MIM!!!
                           FELIZ ANO NOVO
                       POST,MARLENE DE GOES

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

VICIO




[Image]Vício   (J.G. de Araujo Jorge) Tu nunca bates no meu pensamento à hora de entrar.
Chegas de repente, invades tudo, e é impossível te expulsar
por que então já sou eu que te procuro.
Não escolhes momento. É na hora séria ou na hora triste,
na hora romântica, ou na hora de tédio
por mais que me encontres fechado em mim mesmo
entras pelo pensamento, - clara fresta, vulnerável
às lembranças do teu desejo.
E quando chegas assim, estremeço até regiões ignoradas
me levanto, e saio, sonâmbulo, a te buscar
a caminhar a esmo ...

Chegas - como uma crise a um asmático, - e então
[preciso de ti como preciso de ar,
e tenho a impressão de que se não te alcanço, se não
[te encontro,
vou morrer, miserável, como um transeunte nas ruas,
antes que o socorro chegue para salvá-lo ...
alcançar-te é um suplício ...
Teu amor para mim - é humilhante a confissão
-Depois que consegues atingir meu pensamento
tua posse é uma obsessão,
não é amor, é vício ...
 

POEMA DE J G DE ARAUJO JORGE
POSTADO POR MARLENE DE GOES 
SITE ORIZA MARTINS.POEMAS


segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

MOMENTO DE SAUDADE




Há Momentos

Há momentos na vida em que sentimos tanto
a falta de alguém que o que mais queremos
é tirar esta pessoa de nossos sonhos
e abraçá-la.

Sonhe com aquilo que você quiser.
Seja o que você quer ser,

porque você possui apenas uma vida
e nela só se tem uma chance
de fazer aquilo que se quer.

Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz.

As pessoas mais felizes
não têm as melhores coisas.
Elas sabem fazer o melhor
das oportunidades que aparecem
em seus caminhos.

A felicidade aparece para aqueles que choram.
Para aqueles que se machucam.
Para aqueles que buscam e tentam sempre.
E para aqueles que reconhecem
a importância das pessoas que passam por suas vidas.

O futuro mais brilhante
é baseado num passado intensamente vivido.
Você só terá sucesso na vida
quando perdoar os erros
e as decepções do passado.

A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar
duram uma eternidade.
A vida não é de se brincar
porque um belo dia se morre.
Clarice LispectorSITE O PENSADOR.COMPOSTADO POR MARLENE DE GOES




domingo, 18 de dezembro de 2011

DOCES RECORDAÇÕES


"Anos 60"
Doces recordações

Marilena F. Basso


Quanta recordação me traz
uma época que não volta mais.
Doces ilusões guardadas,
lindos momentos vividos,
despreocupação geral,
uma grande curtição!


O vestido de bolinhas,
saia godê e gola rolê,
sandália de tirinhas
eram minha indumentária
para ir  na praça passear,
 ...tomar Banho de Lua.

Radinho de pilhas ligado,
ouvindo e aprendendo,
 cantarolando sem parar
música popular e rock importado.


Nas curvas das estradas
meu pensamento se perdia.
Eu era feliz e disso sabia.
O pouco que tive, sempre foi tudo
para provar das melhores emoções.
O que faltou, se é que faltou,
foram apenas pequenos detalhes.

SITE CANTINHO DA LENA
POEMA DE MARIA HELENA BASSO
POSTADO POR MARLENE DE GOES

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

ANIVERSÁRIO DO BLOG AOSOLHOSDAALMA


Pela Luz Dos Olhos TeusVinicius de Moraes
Quando a luz dos olhos meusE a luz dos olhos teusResolvem se encontrarAi, que bom que isso é, meu DeusQue frio que me dáO encontro desse olhar
Mas se a luz dos olhos teusResiste aos olhos meusSó pra me provocarMeu amor, juro por DeusMe sinto incendiar
Meu amor, juro por DeusQue a luz dos olhos meusJá não pode esperarQuero a luz dos olhos meusNa luz dos olhos teusSem mais larirurá
Pela luz dos olhos teusEu acho, meu amorE só se pode acharQue a luz dos olhos meusPrecisa se casar 
meu carinho aos amigos que me acompanharamdurante todo este ano,de amizade e alegriasmarlene de goes

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

NÃO SER


Não ser

Ah! arrancar às carnes laceradas
Seu mísero segredo de consciência!
Ah! poder ser apenas florescência
De astros em puras noites deslumbradas! 

Ser nostálgico choupo ao entardecer,
De ramos graves, plácidos, absortos
Na mágica tarefa de viver! 
...

Quem nos deu asas para andar de rastos?
Quem nos deu olhos para ver os astros
- Sem nos dar braços para os alcançar?!...



POEMA DE FLOR BELA ESPANCA


POSTADOPOR MARLENE DE GOES

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

PORQUE


Porque (Carlos Drummond de Andrade)

Amor meu, minhas penas, meu delírio,
Aonde quer que vás, irá contigo
Meu corpo, mais que um corpo, irá um'alma,
Sabendo embora ser perdido intento
O de cingir-te forte de tal modo
Que, desde então se misturando as partes,
Resultaria o mais perfeito andrógino
Nunca citado em lendas e cimélios
Amor meu, punhal meu, fera miragem
Consubstanciada em vulto feminino,
Por que não me libertas do teu jugo,
Por que não me convertes em rochedo,
Por que não me eliminas do sistema
Dos humanos prostrados, miseráveis,
Por que preferes doer-me como chaga
E fazer dessa chaga meu prazer?

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
Postado por marlene de goes
AM ainda melhor Poesias




segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

UM CAMPO DE ESTRELAS

O Campo se transmudou tão de repente,
Quando se anunciava o nascimento de Jesus.
As orquídeas não pareciam flores; tão fulgentes,
Pareciam estrelas de magnífica e estranha luz!

Se preparavam para a chegada do menino,
Se extasiavam de amor, perfume e emoção,
Ficou tão lindo o campo, e o esplendor divino,
Parecia ter colocado, em cada flor, um coração.

Não se sabia se era o palpitar ou o refulgir,
Que balançava sobre as hastes delicadas,
Não eram flores que nos vinham seduzir,
Brilhando e palpitando à beira das estradas.

Como um tapete de jóias fulgurantes,
Essas orquídeas se acenderam em grande luz!
E só voltaram a ser flores, como antes,
Para enfeitarem a manjedoura de Jesus.

*** MÍRIAN WARTTUSCH ***

 POSTADO POR MARLENE DE GOES




quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

POEMA DE UM AMIGO APRENDIZ




POEMA DE UM AMIGO APRENDIZ




Quero ser teu amigo.
Nem demais e nem de menos.
Nem tão longe nem tão perto.
Na medida mais precisa que eu puder.
Mas amar-te, sem medida,
e ficar na tua vida
da maneira mais discreta
que eu souber.
Sem tirar-te a liberdade.
Sem jamais te sufocar.
Sem falar quando for hora de
calar,e sem calar, quando
for hora de falar.
Nem ausente nem presente por
demais,simplesmente,
calmamente, ser-te paz...
É bonito ser amigo.
Mas, confesso,
é tão difícil aprender!
E por isso
eu te suplico paciência.
Vou encher este teu rosto
de lembranças!
Dá-me tempo
de acertar nossas distancias!


Fernando Pessoa


site cantinho da lena postado por marlene de goes

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

DEUS







DEUS

Eu me lembro! eu me lembro! — Era pequeno
E brincava na praia; o mar bramia
E, erguendo o dorso altivo, sacudia
A branca escuma para o céu sereno.

E eu disse a minha mãe nesse momento:
“Que dura orquestra! Que furor insano!
Que pode haver maior do que o oceano,
Ou que seja mais forte do que o vento?!”

— Minha mãe a sorrir olhou pr'os céus
E respondeu: — “ Um Ser que nós não vemos
É maior do que o mar que nós tememos,
Mais forte que o tufão! meu filho, é — Deus!”—

POEMA DE CASIMIRO DE ABREU
Postado por marlene de goes
fonte www.amtonio miranda.com.br


segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

SENTIR-SE AMADO




Sentir-se amado

O cara diz que te ama, então tá. Ele te ama.

Sua mulher diz que te ama, então assunto encerrado.

Você sabe que é amado porque lhe disseram isso, as três palavrinhas mágicas. Mas saber-se amado é uma coisa, sentir-se amado é outra, uma diferença de milhas, um espaço enorme para a angústia instalar-se.

A demonstração de amor requer mais do que beijos, sexo e verbalização, apesar de não sonharmos com outra coisa: se o cara beija, transa e diz que me ama, tenha a santa paciência, vou querer que ele faça pacto de sangue também?

Pactos. Acho que é isso. Não de sangue nem de nada que se possa ver e tocar. É um pacto silencioso que tem a força de manter as coisas enraizadas, um pacto de eternidade, mesmo que o destino um dia venha a dividir o caminho dos dois.

Sentir-se amado é sentir que a pessoa tem interesse real na sua vida, que zela pela sua felicidade, que se preocupa quando as coisas não estão dando certo, que sugere caminhos para melhorar, que coloca-se a postos para ouvir suas dúvidas e que dá uma sacudida em você, caso você esteja delirando. "Não seja tão severa consigo mesma, relaxe um pouco. Vou te trazer um cálice de vinho".

Sentir-se amado é ver que ela lembra de coisas que você contou dois anos atrás, é vê-la tentar reconciliar você com seu pai, é ver como ela fica triste quando você está triste e como sorri com delicadeza quando diz que você está fazendo uma tempestade em copo d´água. "Lembra que quando eu passei por isso você disse que eu estava dramatizando? Então, chegou sua vez de simplificar as coisas. Vem aqui, tira este sapato."

Sentem-se amados aqueles que perdoam um ao outro e que não transformam a mágoa em munição na hora da discussão. Sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente bem-vindo, que se sente inteiro. Sente-se amado aquele que tem sua solidão respeitada, aquele que sabe que não existe assunto proibido, que tudo pode ser dito e compreendido. Sente-se amado quem se sente seguro para ser exatamente como é, sem inventar um personagem para a relação, pois personagem nenhum se sustenta muito tempo. Sente-se amado quem não ofega, mas suspira; quem não levanta a voz, mas fala; quem não concorda, mas escuta.

Agora sente-se e escute: eu te amo não diz tudo.
Martha MedeirosPOSTADO POR MARLENE DE GOESSITE O PENSADOR.COM.BR



sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

CANÇÃO DO MEU ABANDONO




Canção do meu abandono
Não, depois de te amar não posso amar ninguém!
Que importa se as ruas estão cheias de mulheres
esbanjando beleza e promessa
ao alcance da mão?
Se tu já não me queres
é funda e sem remédio a minha solidão.
Era tão fácil ser feliz quando tu estavas comigo!
Quantas vezes, sem motivo nenhum, ouvi o teu sorriso
rindo feliz, como um guiso
em tua boca?
E todo momento
mesmo sem te beijar eu estava te beijando:
com as mãos, com os olhos, com os pensamentos,
numa ansiedade louca!
Nossos olhos, meu Deus! nossos olhos, os meus
nos teus,
os teus
nos meus,
se misturavam confundindo as cores
ansiosos como olhos
que se diziam adeus...
Não era adeus, no entanto, o que estava em teus olhos
e nos meus,
era êxtase, ventura, infinito langor,
era uma estranha, uma esquisita, uma ansiosa mistura
de ternura com ternura
no mesmo olhar de amor!
Ainda ontem, cada instante era uma nova espera...
Deslumbramento, alegria exuberante
e sem limite...
E de repente,
de repente eu me sinto triste como um velho muro
cheio de hera
embora a luz do sol num delírio palpite!
Não, depois de te amar não posso amar ninguém!
Podia até morrer, se já não há belezas ignoradas
quando inteira te despi,
nem de alegrias incalculadas
depois que te senti...
Depois de te amar assim, como um deus, como um louco,
nada me bastará, e se tudo é tão pouco...
... eu devia morrer...
(Poesia de JG de Araujo Jorge – extraído
do livro Concerto a 4 mãos- 1959 )


POSTADO POR MARLENE DE GOES

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

POEMAS DE CORA CORALINA

CORA  CORAGEM CORALINA
Lindo demais
Coração é terra que ninguém vê
Quis ser um dia, jardineira
de um coração - nada colhi.
Nasceram espinhos
e nos espinhos me feri.
Quis ser um dia, jardineira
de um coração.
Cavei, plantei.
Na terra ingratanada criei.
Semeador da Parábola...
Lancei a boa sementea gestos largos...
Aves do céu levaram.
Espinhos do chão cobriram.
O resto se perdeu
na terra durada ingratidão
Coração é terra que ninguém vê- diz o ditado.
Plantei, reguei, nada deu, não.
Terra de lagedo, de pedregulho,- teu coração.
Bati na porta de um coração.
Bati. Bati. Nada escutei.
Casa vazia. Porta fechada,
foi que encontrei...

Cora Coralina
SITE.Cora coragemcorapoesia.blogspot.com

postado por marlene de goes


sexta-feira, 25 de novembro de 2011

POEMAS DE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE





Carlos Drummond de Andrade

Os ombros suportam o mundo 
Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus. 
Tempo de absoluta depuração. 
Tempo em que não se diz mais: meu amor. 
Porque o amor resultou inútil. 
E os olhos não choram. 
E as mãos tecem apenas o rude trabalho. 
E o coração está seco. 

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás. 
Ficaste sozinho, a luz apagou-se, 
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes. 
És todo certeza, já não sabes sofrer. 
E nada esperas de teus amigos. 

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice? 
Teus ombros suportam o mundo 
e ele não pesa mais que a mão de uma criança. 
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios 
provam apenas que a vida prossegue 
e nem todos se libertaram ainda. 
Alguns, achando bárbaro o espetáculo 
prefeririam (os delicados) morrer. 
Chegou um tempo em que não adianta morrer. 
Chegou um tempo que a vida é uma ordem. 
A vida apenas, sem mistificação.



site as tormentas.com,
poemas de CARLOS DRUMMOND   DE ANDRADE


Postado por marlene de goes

terça-feira, 22 de novembro de 2011

POEMA DE VINICIUS DE MORAES



Se alguma coisa me consome 
e me envelhece é que a roda 
furiosa da vida não me permite 
ter sempre ao meu lado, 
morando comigo, andando comigo, 
falando comigo, vivendo comigo, 
todos os meus amigos, e, 
principalmente os que só 
desconfiam ou talvez nunca 
vão saber que são meus amigos! 

A gente não faz amigos, reconhece-os. 

© Vinícius de Moraes 

POSTADO POR MARLENE




domingo, 20 de novembro de 2011

POEMAS DE AMOR







De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça: amor não é amor
Se quando encontra obstáculos se altera,
Ou se vacila ao mínimo temor.
Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura;
É astro que norteia a vela errante,
Cujo valor se ignora, lá na altura.
Amor não teme o tempo, muito embora
Seu alfange não poupe a mocidade;
Amor não se transforma de hora em hora,
Antes se afirma para a eternidade.
Se isso é falso, e que é falso alguém provou,
Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.
William ShakespearePOSTADO POR MARLENE DE GOES

sábado, 19 de novembro de 2011

BALADAS DE UMA OUTRA TERRA,ALIADAS





..
Frases e Poemas de
Fernando Pessoa
Baladas de uma outra terra, aliadas

Baladas de uma outra terra, aliadas
Às saudades das fadas, amadas por gnomos idos,
Retinem lívidas ainda aos ouvidos
Dos luares das altas noites aladas...
Pelos canais barcas erradas
Segredam-se rumos descridos...

E tresloucadas ou casadas com o som das baladas,
As fadas são belas e as estrelas
São delas... Ei-las alheadas...

E sao fumos os rumos das barcas sonhadas,
Nos canais fatais iguais de erradas,
As barcas parcas das fadas,
Das fadas aladas e hiemais
E caladas... Toadas afastadas, irreais, de baladas... Ais...
Fernando Pessoa
SITE POEMAS E FRASES DE FERNANDO PESSOA
POSTADO POR MARLENE DE GOES
Poesia & Cia


quinta-feira, 17 de novembro de 2011

CANÇÃO DO MEU ABANDONO



Canção do meu abandono
Não, depois de te amar não posso amar ninguém!
Que importa se as ruas estão cheias de mulheres
esbanjando beleza e promessa
ao alcance da mão?
Se tu já não me queres
é funda e sem remédio a minha solidão.
Era tão fácil ser feliz quando tu estavas comigo!
Quantas vezes, sem motivo nenhum, ouvi o teu sorriso
rindo feliz, como um guiso
em tua boca?
E todo momento
mesmo sem te beijar eu estava te beijando:
com as mãos, com os olhos, com os pensamentos,
numa ansiedade louca!
Nossos olhos, meu Deus! nossos olhos, os meus
nos teus,
os teus
nos meus,
se misturavam confundindo as cores
ansiosos como olhos
que se diziam adeus...
Não era adeus, no entanto, o que estava em teus olhos
e nos meus,
era êxtase, ventura, infinito langor,
era uma estranha, uma esquisita, uma ansiosa mistura
de ternura com ternura
no mesmo olhar de amor!
Ainda ontem, cada instante era uma nova espera...
Deslumbramento, alegria exuberante
e sem limite...
E de repente,
de repente eu me sinto triste como um velho muro
cheio de hera
embora a luz do sol num delírio palpite!
Não, depois de te amar não posso amar ninguém!
Podia até morrer, se já não há belezas ignoradas
quando inteira te despi,
nem de alegrias incalculadas
depois que te senti...
Depois de te amar assim, como um deus, como um louco,
nada me bastará, e se tudo é tão pouco...
... eu devia morrer...
(Poesia de JG de Araujo Jorge – extraído
do livro Concerto a 4 mãos- 1959 )
Q

POSTADO POR MARLENE DE GOES

terça-feira, 15 de novembro de 2011

VAZIO

 
Vazio


Marilena Ferioli Basso

O amor que trago no peito
é um maravilhoso sofrer.
O vazio à minha volta
incomoda,desespera,
não consigo ficar impassível.
Coloco à disposição do vazio,
aquilo que tenho a oferecer.
Muitas vezes,
o vazio não quer aceitar, e então sofro:
minha felicidade está em doar-me.


Vazio, aceita minha oferta !
Meu coração transborda:
 sorrisos felizes,
energias positivas,
aroma de flores livres,
esperança, segurança.
segredos , verdades,
sabedoria, justiça,
liberdade e muito amor.


Vazio , aceita minha oferta !
Rompe as muralhas,
solta a represa que me sufoca.
À ti, basta a fé apoiada no amor
para o sinal verde abrir.
Tudo o que qualquer vazio aceitar,
que eu possa oferecer e doar,
servirá para que eu
não seja apenas "EU".



                 SITE Cantinho da Lena.poemas emensagens
                 Postado por marlene de goes

domingo, 13 de novembro de 2011

DETALHES



 Detalhes
Marilena Basso


Hoje quero ouvir:
murmúrio de águas
assovio de vento
canto de um pássaro
rangido de porta
choro de  recém-nascido
torcedor gritando "gol !"


Hoje quero ver:
sol brilhando
flor abrindo
campo florido
criança sorrindo!


Hoje quero cantar:
chorinho nostálgico
tango de Gardel
bolero de Ravel
marcha de carnaval
hino de amor
uma canção de ninar gente grande!


Hoje quero sentir:
romantismo de luar
inspiração de poeta
a doçura da amizade
o calor do amor
a força da esperança!


Hoje quero brindar com:
 vinho frisante
champagne gelada
uísque na dose certa
cerveja que desce redonda
refrigerante de marca nacional
 

Hoje eu quero gritar bem alto,
fazer alarde,
propaganda correta desses detalhes
que me fazem tão feliz ...

      POSTADO POR MARLENE DE GOES
    SITE  CANTINHO DA LENA

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

A ROSA E OS ESPINHOS





 Alda Corrêa Mendes Moreira



Era tão linda a rosa amarela que achei!
A sua cor jamais me demonstrou tristeza,
e ninguém percebeu as dores que amarguei
quando eu a vi murchar com tanta singeleza.


Nem ninguém saberá o pranto que abafei
ao ver que aquele viço era a grande certeza
da prova de um amor que nunca revelei,
sem esperar da vida a volta da beleza.


E agora que estou só, fitando a simples haste
daquela bela flor que espargia carinhos,
tenho em meu peito dor que só me traz desgaste.


Chorando o fim da rosa, eu procuro caminhos
que anulem este amargo e penoso contraste,
pois triste é encontrar apenas os espinhos!


Todos os direitos reservados à autora



                                   POSTADO POR MARLENE DE GOES

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

ENQUANTO A CHUVA CAI




Enquanto a chuva cai
Marilena Ferioli Basso
 

Cai a chuva de mansinho,
A noite está tranqüila,
Só se ouve a canção suave
Dos pingos no telhado.
Meu pensamento voa,
Alcança o mundo lá fora,
Verdadeiro campo de batalha.
As pessoas se devoram,
Destroem seu próximo no vapor.
O egoísmo se expande
Fazendo da terra
Verdadeiro inferno.
Não existe liberdade
Para fazer o que se quer,
Tem sempre alguém botando ordem
Onde não é chamado
E, muito menos bem vindo...
Quebrar tabus,
Impor regras,
Romper tradições,
Violar costumes,
Ultrapassar limites de liberdade
São tarefas para aqueles
Inteligentes e ativos
Capazes de desobedecer
Mas que levam nas mãos
As soluções dos problemas...



A chuva aperta,
Caí água em bicas,
Um relâmpago ilumina a sala,
Trovão machuca o tímpano,
Vento balança a cortina...
Meu pensamento retorna,
Enfrenta a dura realidade,
Não vejo muitas saídas
Para melhorar a sociedade.
Elevo a Deus uma prece,
Peço ajuda e misericórdia:
Que a luz desse raio,
Se transforme em farol,
Ilumine a inteligência do homem
Para que todas as suas obras,
Tenham por alicerce "O Amor"

  

                    SITE CANTINHO DA LENE POEMAS
         POSTADO POR MARLENE DE GOES


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...