Seguidores

domingo, 14 de outubro de 2018

( RECLUSA)

     CALEI MEU PRANTO E JAMAIS CANTEI
        JAMAIS VOLTEI A SORRIR
       COM AQUELE RISO DE ALEGRIA
        EU APENAS CONTINUEI AQUI
         FECHEI AS PORTAS SERREI AS CORTINAS
         E ASSIM ACABOU MAIS UM ATO
         RECOLHI MINHAS VESTES COLORIDAS
         MINHAS MANTILHAS MEUS SAPATOS
         FIQUEI DESDE  ENTÃO EM MEU EXÍLIO
         NO SILENCIO AMIGO DO MEU QUARTO
         OU SEJA NÃO EXISTE MAIS ESPETÁCULOS
         SÓ VIVO AGORA DAS LEMBRANÇAS
         TALVEZ NEM FOSSE EU NAQUELE TEMPO
          FOSSE APENAS (A CIGANA)OU A CRIANÇA
          QUE AINDA RODOPIAVA NAS CAMPINAS
          CORRENDO ATRAS DOS PIRILAMPOS
          PARA ENFEITAR AS MINHAS SAIAS
         E POR EM MEUS CABELOS MAIS ENCANTO
         NÃO NÃO ACENDA A LUZ,PREFIRO PERMANECER
         NA PENUMBRA AGUARDANDO OS RAIOS DE LUAR
         QUE MUITO EM BREVE CHEGARÃO
         APENAS ME PONHA A MINHA MANTILHA
         SOBRE OS OMBROS EU VOU ESPERAR A LUA QUE VIRÁ FECHAR MEUS OLHOS QUERO DORMIR E SONHAR

DA AUTORIA DE MARLENE DE GOES
POSTAGEM DA MESMA  
 UM ABRAÇO AOS AMIGOS QUE RECORDAM DE MIM

         

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

SE ASSIM FOR

              OLHEI  TEUS OLHOS E O ADEUS  FOI TRISTE EM SILENCIO
              SEM PALAVRAS SEM ABRAÇOS
           
              SEM ME DIZER SE UM DIA VOLTARIA
             PARA ME ACONCHEGAR ENTRE TEUS BRAÇOS

              SE EU VOLTARIA A CRUZAR O TEU CAMINHO
             MESMO QUE FOSSE EM OUTRO TEMPO

              DEPOIS DE SE ACALMAREM TODOS OS VENTOS
              AO DESABROCHAR AS FLORES E VOLTAR O SOL
              NEM EU SABERIA  EXPLICAR TAL ATITUDE
   
               QUE TORNA O MAIS TERNO GESTO DE CARINHO
              NA CRUELDADE RUDE  DE FAZER SOFRER
              A QUEM MAIS AMO...

               MAIS QUANDO DA TERRA BROTAR
   
                RAMOS TENROS VERDES E PEQUENOS
                QUE SÓ TEUS OLHOS CONSEGUIRÃO VER
                TERÁS CERTEZA QUE EU ESTAREI AQUI

                 E QUE AQUELE OLHAR NÃO FOI DE ADEUS
                 EU SEMPRE TE ESPEREI EU SEMPRE ESTIVE AQUI
                              ALGUM DIA DA VIDA

POR MARLENE DE GOES

ASAS DA LIBERDADE

      O Frio que castiga minha alma
        Me aquece o peito ao sentir o calor das brasas
         Que alimentam a fogueira...
        
         E AS labaredas que eu via em teus olhos
        Refletidas como em um espelho
        Estavas sentado junto a mim
        E eu com a cabeça recostada em teus joelhos
        Olhando o céu coberto de estrelas 
        Sentindo tuas mãos em meus cabelos
       Foram ali nossos melhores e mais lindos sonhos

        E ali choramos nossos desenganos por não poder viver aquele encanto
        E nem poder dizer ao mundo o quanto nos amamos
        Deixe que as chuvas venham apagar 
       As chamas das labaredas sobre as brasas
       Vamos voar apenas em nossos sonhos
       Pois não poderemos deixar que se abram as asas da liberdade
       Nunca iremos voar não nos pertence esta liberdade
       Façamos de conta que tudo não passou de um sonho...

autoria Marlene de Goes 
       


terça-feira, 21 de junho de 2016

domingo, 12 de junho de 2016

POEMAS DE CORA CORALINA


                                       POSTADO POR MARLENE DE GOES

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

domingo, 21 de fevereiro de 2016

HORAS RUBRAS

HORAS RUBRAS



Horas profundas, lentas e caladas
Feitas de beijos rubros e ardentes,
De noites de volúpia, noites quentes
Onde há risos de virgens desmaiadas...

Oiço olaias em flor às gargalhadas...
Tombam astros em fogo, astros dementes,
E do luar os beijos languescentes
São pedaços de prata p'las estradas...

Os meus lábios são brancos como lagos...
Os meus braços são leves como afagos,
Vestiu-os o luar de sedas puras...

Sou chama e neve e branca e mist'riosa...
E sou, talvez, na noite voluptuosa,
Ó meu Poeta, o beijo que procuras!

Florbela Espanca, in "Livro de Sóror Saudade" 
// postado por marlene de goes

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...