Seguidores

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

A FONTE E A FLOR


Deixa-me, fonte, dizia,
A flor, tonta de terror,
E a fonte, rápida e fria,
Cantava, levando a flor.

Deixa-me, deixa-me, fonte,
Dizia a flor, a chorar.
Eu fui nascida no monte,
Não me leves para o mar!

E a fonte, rápida e fria,
Com um sussurro zombador, 
por sobre a areia corria, 
Corria, levando a flor.

"Ai, balanços do meu galho,
Balanços do berço meu,
Ai, claras gotas de orvalho,
Caídas do azul do céu!"

"Carícias das brisas leves
Que abrem rasgões de luar,
Fonte, fonte, não me leves,
Não me leves para o mar!"

.........
As correntezas da vida
E os restos do meu amor
Resvalam numa descida
Como a da fonte e da flor...
 POEMA=devicente de carvalho

fonte=google

3 comentários:

Jorge disse...

A correnteza da vida nos leva para o mar da sabedoria. A beleza, delicadeza, perfume e amor não se diluem no mar, mas acrescenta dando um novo significado à vida.

Minha amiga, beijo em teu doce coração!
Um excelente fds!

manuel marques disse...

Muito bonito este poema.

Beijo e bom fim de semana.

Zilda Santiago disse...

Um belo poema!!Bjs no coração.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...